Muitos tutores se perguntam: “ao castrar o cachorro, ele para de marcar território?”. 

Feita em momento oportuno, a castração traz inúmeros benefícios para a saúde dos cães, entre eles, o controle populacional e a prevenção de doenças ligadas aos hormônios sexuais, como alguns tipos de câncer.

O procedimento também pode promover mudanças positivas no comportamento do pet. É justamente sobre uma dessas possíveis mudanças que iremos falar agora. Confira a seguir se, depois de castrado, o cachorro continua marcando território ou não.

Impactos da castração no comportamento

A relação de castrar o cachorro com o controle populacional e o desenvolvimento de alguns tipos de câncer, como o de útero em cadelas, é bastante evidente. Já quando o assunto são seus impactos no comportamento, a questão tende a despertar mais dúvidas.

A Dra. Ana Paula Sanches Barcelos, médica-veterinária das clínicas Petz Iguatemi Esplanada e Petz Tauste, no interior de São Paulo, fala sobre o assunto. Segundo ela, a explicação sobre o que fazer para o cachorro parar de marcar território é que a castração interfere diretamente na produção de alguns hormônios que estão atrelados ao comportamento.

No caso da testosterona, ela está bastante ligada aos impulsos sexuais e a comportamentos territorialistas, como quando o cão está marcando território. Por esse motivo, uma vez realizada a castração, ela pode inibir ou reduzir o problema da marcação de território que tanto incomoda alguns tutores.

Por que a castração nem sempre é a solução?

Quando responder à pergunta “ao castrar o cachorro, ele para de marcar território?”, é importante dizer que a castração pode ter efeitos no comportamento e isso não quer dizer que ela resolva todos os problemas como num passe de mágica.

Por que castrar o cachorro pode ser bom?

Em primeiro lugar, é preciso ter em mente que nem todos os comportamentos indesejados estão intimamente ligados aos hormônios sexuais. 

Problemas como ansiedade por separação, vocalização excessiva e dificuldade de socialização com estranhos, por exemplo, não se alteram com o procedimento. Mesmo quando o comportamento tem a ver com os hormônios, porém, o impacto da cirurgia depende de fatores como quando ela foi realizada e a origem do comportamento. 

“Como há redução do estímulo hormonal, a castração de cachorro pode eliminar alguns comportamentos. Porém, sabe-se que pacientes podem tê-los adquirido como algo natural também”, explica o Dr. Thiego Aguilar, também médico-veterinário da Petz. 

Em relação a idade, em geral, os cães passam a levantar a perna a partir da maturidade sexual, justamente devido ao estímulo hormonal. Por isso, conversar com o veterinário sobre a realização da cirurgia com o pet ainda jovem ajuda a impedir que esse e outros hábitos se desenvolvam.

Como modificar o comportamento do pet (e quando não fazer isso).

Ainda que possa minimizar o problema, caso o seu cachorro já tenha adquirido o hábito de marcar território, é possível que a castração não elimine o comportamento por completo. Nos casos em que o cãozinho causa inconvenientes, urinando fora do local determinado, a saída é ensiná-lo a fazer xixi no lugar certo por meio do reforço positivo. 

Caso você tenha dificuldade no processo, vale a pena buscar a ajuda de um consultor comportamental. Por outro lado, se o seu cachorro costuma fazer as necessidades no lugar certo, apenas levantando a perna para urinar durante os passeios, não há motivo para inibir este comportamento natural dos cães. 

Na verdade, é positivo deixar que o pet explore o ambiente e que expresse seus comportamentos naturais durante a atividade. Só tome cuidado para evitar que o cachorro cheire locais muito sujos ou as fezes de outros animais, uma vez que estas podem ser foco de contaminação.